Património/Leiria.Fátima.Tomar/Tomar

Convento de Cristo: dos Templários aos Descobrimentos

Classificado como Património da Humanidade pela UNESCO em 1983, o Convento de Cristo, em Tomar, tem origens quase tão remotas como o próprio país.

Foi D. Afonso Henriques a permitir a instalação aos Cavaleiros da Ordem no Templo na região entre os rios Mondego e Tejo. Constitui, por isso, um marco ímpar da presença dos Templários na Península Ibérica e, numa altura em que o interesse por esta ordem religiosa tem crescido – em grande parte devido ao livro “O Código Da Vinci” de Dan Brown e à posterior adaptação cinematográfica – conhecer este local tornou-se um programa cada vez mais apetecível para portugueses e estrangeiros de todas as idades.

O local onde foi construído o convento tem, por si só, uma enorme carga mítica, uma vez que era um antigo local de culto dos Romanos, existindo também vestígios da presença muçulmana. No entanto, seria no reinado de D. Afonso Henriques que seria estabelecida esta ligação aos Templários. O castelo existe desde 1160 e inclui uma charola octogonal (do final do século XII) e um santuário românico. O Convento viria a ser construído já durante o século XIV. Em conjunto, formam a maior área monumental de Portugal, ocupando mais de 54000 m2.

O facto de ter sido construído e ampliado ao longo de vários séculos fez com que este monumento se tornasse numa espécie de livro da História da Arte nacional, já que são vários os estilos arquitetónicos presentes.

Cada um deles reflete uma época, mas também a própria evolução de um país que viria a aventurar-se pelos mares e por outros continentes, trazendo dessas viagens influências que seriam gravadas nas pedras deste convento.

Influência Arquitetónicas

O Românico está presente na igreja templária, enquanto os claustros, contemporâneos do Infante D. Henrique, evidenciam um gosto Gótico. Com os Descobrimentos chegou também toda a exuberância do Manuelino, bem patente na famosa “Janela do Capítulo”. Aliás, a Milícia dos Cavaleiros de Cristo apoiou a expansão marítima portuguesa e o convento passou mesmo a ser a sede da Ordem.

Quando o convento foi ampliado, no século XVIII, recebeu influências do Renascimento, enquanto o Maneirismo e o Barroco estão presentes no Claustro Principal e no Claustro da Hospedaria. D. João V, monarca conhecido pela ostentação, deixou a sua marca em ornamentações luxuosas no púlpito, altar, coro e sacristia-mor.

É um dos edifícios com mais claustros em todo mundo (dois foram edificados na época do Infante D. Henrique e outros sete construídos posteriormente), e durante o período filipino foi construído um aqueduto com 6 quilómetros de extensão, destinado a abastecer o convento e as terras da cerca dos Sete Montes.

Do ponto de vista arquitetónico, este monumento tem ainda outro motivo de grande interesse para quem gosta de conhecer os hábitos do passado. Como recebeu membros do clero em clausura, permite ter uma ideia de como viviam estes monges, muitos deles guerreiros.

Percorrer os claustros e visitar as dependências onde habitavam é uma forma voltar a épocas distantes, evocando um tempo feito de silêncios e orações.

Explore a região

Pontos de Interesse

Onde ficar

Contactos Úteis

Encontre toda a emoção
do Centro de Portugal

Descubra tudo o que pode fazer, os locais incríveis que pode visitar e transforme a sua viagem numa experiência inesquecível.

Património

Mosteiro da Batalha: tributo à Independência de Portugal

explorar
Património

Mosteiro de Alcobaça: o último lar de Pedro e Inês

explorar