O claustro real do Mosteiro da Batalha recebeu na passada sexta-feira, uma conferência de imprensa para apresentação dos principais resultados da operação Lugares Património Mundial do Centro. A operação promove de forma conjunta, desde 2017, os quatro elementos patrimoniais da região Centro de Portugal inscritos na lista do Património Mundial da UNESCOMosteiro da BatalhaMosteiro de AlcobaçaConvento de Cristo em Tomar e Universidade de Coimbra, Alta e Sofia.

Ao mesmo tempo, a conferência de imprensa, intitulada “Lugares Património Mundial do Centro: Chegou o tempo do regresso”, serviu para apelar ao regresso dos visitantes aos monumentos e lugares classificados, após o difícil período que recentemente atravessámos.

A iniciativa contou com intervenções de Pedro Machado, presidente do Turismo Centro de Portugal, em representação do consórcio que levou a efeito a operação; Joaquim Ruivo, diretor do Mosteiro da Batalha, em representação da Direção-Geral do Património Cultural; e Paulo Baptista Santos, presidente da Câmara Municipal da Batalha.

Igualmente presentes estiveram representantes das várias autarquias e entidades envolvidas, casos da diretora regional de Cultura do Centro, Suzana Menezes; da presidente da Câmara Municipal de Tomar, Anabela Freitas; da vereadora da Câmara Municipal de Coimbra, Carina Gomes; da vereadora da Câmara Municipal de Alcobaça, Inês Silva; e de diretores do Turismo Centro de Portugal.

A operação Lugares Património Mundial do Centro desenvolveu-se a partir de 2017 e assentou em quatro eixos fundamentais, cuja execução foi apresentada hoje: um programa de qualificação da hospitalidade turística, um programa educativo em rede, um programa cultural em rede e um programa de comunicação em rede.

Um dos produtos que resultam da operação Lugares Património Mundial do Centro está disponível desde ontem, sábado dia 20 de junho – o guia “Lugares Património Mundial – Centro de Portugal”, distribuído com o Expresso. Com tiragem de 80 mil exemplares, esta publicação conta a História dos quatro lugares classificados e mostra o melhor que há para conhecer nos lugares e nas zonas envolventes, incluindo sugestões de roteiros variados.

Também hoje apresentado o decorrer da conferência de imprensa, o Guia Digital “Visitante + Seguro Lugares Património Mundial do Centro”. Disponível em www.patrimoniomundialdocentro.pt, este guia reforça a importância de voltar e regressar aos lugares e monumentos patrimoniais, demonstrando ao visitante que o pode fazer de forma segura, apresentando dicas, recomendações e sugestões para uma viagem e visita mais responsável e segura.

Entre os resultados da operação apresentados, destacou-se o aumento do número de visitantes aos quatro lugares, que em conjunto somaram 1,5 milhões de visitas em 2019: 416,7 mil no Mosteiro da Batalha, 365,4 mil no Convento de Cristo, 220 mil no Mosteiro de Alcobaça e 482,9 mil (dados de 2018) na Universidade de Coimbra, Alta e Sofia, a que se somaram 149,6 mil no Museu Nacional Machado de Castro, em Coimbra, que integra a classificação da Universidade de Coimbra, Alta e Sofia desde 2019.

Na apresentação, Joaquim Ruivo sublinhou o facto de a pandemia de covid-19 poder ter como uma das consequências “descentralizar os circuitos turísticos, aliviar os que estão sobrecarregados, levar visitantes aos circuitos menos conhecidos e reforçar o turismo nacional”. “Tudo isto são oportunidades que podem surgir com esta crise. Mantendo as distâncias podemos ser cada vez mais unidos”, reiterou.

Pedro Machado, a quem coube a apresentação dos resultados, destacou a aposta que o Turismo Centro de Portugal e outras regiões do país estão a fazer no reforço dos visitantes nacionais, nesta primeira fase de desconfinamento. “Desafiamos os portugueses a conhecerem melhor Portugal. Visitem Portugal! Tirem partido daquilo que os estrangeiros dizem há três anos: que Portugal é o melhor destino turístico do mundo. Se somos o melhor destino, vamos usufruir dele e tirar partido desta nova realidade. Os portugueses têm ao dispor experiências maravilhosas e inolvidáveis dentro do seu próprio país e, em particular, no Centro de Portugal, incluindo os nossos lugares Património Mundial”, frisou.

A partir de julho, o desafio é extensível aos turistas de fora do país. “Queremos inspirar os visitantes a escolherem o Centro de Portugal assim que poderem viajar, e sobretudo a escolherem um dos produtos premium da região, que é precisamente o Património e Cultura. Queremos que estes 1,5 milhões de visitantes, que escolheram estes lugares em 2019, voltem a colocar o Centro de Portugal nas suas preferências. A região está disponível e apta a recebê-los”, sustentou.

Em relação à operação Lugares Património Mundial do Centro, Pedro Machado realçou que “foi possível realizar um investimento virtuoso, que teve retorno para aqueles que participaram no consórcio”. “Acreditamos que o trabalho destes anos é um extraordinário exercício para o presente e para o futuro e queremos renovar este compromisso com os parceiros para os anos vindouros. O turismo, a cultura e o património constituem um triângulo virtuoso”, disse ainda. 

A finalizar a conferência de imprensa, Paulo Baptista Santos, na qualidade de anfitrião, enalteceu o facto de que “esta relação entre a cultura e o turismo, quando bem combinada e feita com qualidade, potencia uma sinergia muito importante para a economia local e para os valores culturais que defendemos”. Recordando que “no país quem faz cultura são os municípios”, o autarca continuou, dizendo que “este projeto em rede demonstra que é possível fazer um trabalho continuado, sistematizado, de qualidade e que acrescenta valor no território e na economia. O incremento da notoriedade dos nossos patrimónios deveu-se muito a esta parceria”. “Há um grande consenso em continuarmos este projeto nos próximos anos”, concluiu.