O Centro foi a região que mais viu o seu peso subir. A aposta no mercado nacional e espanhol é para continuar, refere Pedro Machado.

“O Centro nunca esteve tão bem preparado para receber turistas como agora. Acredito que a tendência de trocar o turismo massificado por turismo tranquilo e mais personalizado irá continuar, mesmo depois de derrotarmos o vírus. Enquanto tal não acontece, a perspetiva é de que os visitantes internos continuem a ser o principal mercado, mas estamos confiantes no regresso de outros visitantes, se bem que está dependente da evolução da doença nos seus próprios países”, afirma o Presidente do Turismo do Centro.

Entrevista completa no Jornal de Negócios.