O Centro de Estudos Ibéricos foi reconhecido como instituição de utilidade pública pela Presidência do Conselho de Ministros, conforme Despacho nº 3132/202, publicado hoje no Diário da República (2.ª série, n.º 58 de 24 de março de 2021).

Pessoa coletiva do tipo associativo de direito privado, “o CEI vem desenvolvendo, desde 2001, sem fins lucrativos, relevantes e atividades de interesse geral. Trata -se de uma associação que visa a promoção, divulgação e coordenação da reflexão, estudo, investigação e ensino de temas comuns e afins a Portugal e Espanha, com especial incidência na região transfronteiriça. Coopera com a Administração, nomeadamente com o Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior, na prossecução dos seus fins”, pode ler-se no Despacho.

O CEI surgiu de uma ideia do filósofo e ensaísta Eduardo Lourenço que, por ocasião das Comemorações do Oitavo Centenário da Guarda, a 27 de novembro de 1999, propôs a criação de um Centro de Estudos que contribuísse para um renovado conhecimento das diversas culturas da Península e para o estudo da Civilização Ibérica como um todo.

Concretizado em 2001 como associação transfronteiriça sem fins lucrativos, congregando a Câmara Municipal da Guarda e três instituições de Ensino Superior (a Universidade de Coimbra, a Universidade de Salamanca e o Instituto Politécnico da Guarda), o Centro de Estudos Ibéricos assenta numa parceria vocacionada para a cooperação territorial, tendo como centro privilegiado de atuação o território fronteiriço da Raia Central Ibérica.

Ao longo de duas décadas o CEI tem-se afirmado como plataforma de diálogo, encontro de culturas e centro de transferência de conhecimentos, apostado na valorização da aprendizagem, da formação e da investigação, contribuindo para superar barreiras e estimular a cooperação entre diferentes territórios de aquém e além-fronteiras.

Em nome da Direção do CEI, o Presidente da Câmara Municipal da Guarda, Carlos Chaves Monteiro, congratulou-se com o despacho hoje publicado, referindo “ser um justo reconhecimento do trabalho que a nossa associação tem vindo a desenvolver no âmbito da cooperação transfronteiriça e do contributo empenhado do Município da Guarda, das Universidades de Coimbra e de Salamanca e do Instituto Politécnico da Guarda em prol de um verdadeiro projeto de cooperação e desenvolvimento”, bem como “do papel de relevo que o CEI tem tido no âmbito das relações entre Portugal e Espanha.”