Terminaram os trabalhos de arte urbana que os alunos do 10.º ano do curso de Multimédia da Escola Profissional Vasconcellos Lebre (EPVL) executaram, durante toda a semana, nas sedes das seis freguesias do concelho da Mealhada, uma iniciativa que marca o arranque do projeto artístico da Living Place “180° Mealhada”, suportado financeiramente pela Câmara Municipal da Mealhada.

Durante cinco dias, os alunos da EPVL pintaram muros e paredes pelas freguesias do concelho, a derradeira etapa de um trabalho de arte urbana – “Urban Art” – que teve como finalidade criar uma rota cultural associada a esta corrente artística, constituindo mais uma opção de visita à globalidade do território e contribuindo para o desenvolvimento turístico e económico do Município da Mealhada.

Em cada mural, irá existir um código QR de leitura no local, através de telemóvel, com informação sobre o desenho, localização exata do percurso (com mapa incluído), história local e autores. Antes da pintura nos locais, os alunos, na escola, desenvolveram várias propostas de arte urbana para cada espaço, sempre muito ligadas à identidade de cada freguesia, que submeteram à consideração da Câmara Municipal e dos presidentes das Juntas de Freguesia, que definiram o melhor projeto para cada localização.

Os trabalhos, que ficarão patentes ao público em Barcouço, Casal Comba, Luso, Mealhada, Pampilhosa e Vacariça, são a primeira atividade do projeto “180° Mealhada”, que durará 12 meses e abarcará um conjunto de atividades, até abril de 2022, promovidas pela Câmara Municipal da Mealhada e organizadas pela Living Place.

Trata-se de um desafio que promete envolver a população do concelho, assim como as empresas, associações e instituições, e levar a cabo atividades de promoção dos produtos endógenos da região e outras ligadas às áreas do ambiente, da biodiversidade, do desporto, do teatro e da música. A ideia é também impulsionar o conhecimento do património edificado e natural, contribuindo para a divulgação do concelho como região culturalmente rica.

“Não tivemos dúvidas em apoiar, desde a primeira hora, um projeto que pretende focar-se quer na população residente, quer na população limítrofe, que deseja visitar o concelho e/ou que procura novas atividades, novas sensações e emoções, após um longo período em que as pessoas se viram privadas destes momentos de fruição devido à pandemia. Trata-se de uma iniciativa que irá promover a região, a nível cultural e económico, atraindo participantes e turistas”, afirmou Rui Marqueiro, presidente da Câmara Municipal da Mealhada.