O azulejo é um elemento identitário de Ovar que possui uma grande expressividade no território.

Este importante património pode ser experienciado de diversas maneiras no Município, através dos vários projetos criados à sua volta. O mês de maio pretende celebrar esta relação de Ovar com o azulejo através de diversas iniciativas que têm como objetivo dinamizar e promover este bem patrimonial.

Azulejos em Ovar

Começamos por lhe contar um pouco da história dos azulejos de Ovar. Recuamos atrás no tempo para saber mais sobre esta arte de origem árabe que remonta à segunda metade do século 15. Os azulejos utilizados nessa época, sobretudo no interior de palácios e igrejas foram depois, a partir do século XIX, e até à 2ª metade do século XX aplicados no exterior dos edifícios. Atualmente, é possível apreciar este património azulejar também nas fachadas da cidade de Ovar, devido ao processo de democratização pelo qual passou. Os conjuntos azulejares de Ovar continham padrões produzidos pelas principais fábricas de Cerâmica da altura, aos quais se acrescentavam diversos ornamentos cerâmicos de remate como figuras escultórias, pinhas, jarrões, urnas ou balaustradas.

É no ,centro da cidade que podemos encontrar os exemplos mais emblemáticos da azulejaria de fachada de Ovar, mas também nas habitações mais simples da periferia é possível observar azulejos de padrão e os respetivos frisos.

Convidamo-lo assim a desfrutar do deslumbrante colorido com que nos presenteiam os azulejos das fachadas do centro da cidade de Ovar, que lhe conferem um caráter singular e despertam a curiosidade de qualquer um. Cada azulejo conta uma história diferente, sempre com um brilho especial!

Todo este ambiente de uma simplicidade única presente nas ruas e casas do território, levou Rafael Salinas Calado, investigador e primeiro diretor de Museu Nacional do Azulejo, especialista em azulejaria e cerâmica portuguesas, a considerar Ovar um verdadeiro museu vivo do azulejo e um “testemunho exemplar” das virtudes do azulejo português.  

 Mas sabia que também é possível encontrar este património azulejar disposto em forma de tapetes numa rua da cidade dedicada ao mesmo? Realize o percurso da Rua do Azulejo, para poder apreciar a sua reinterpretação mais contemporânea e no final dê azas à imaginação e pinte o seu próprio azulejo. Lembre-se que a criatividade não tem limites!

A diversão não fica por aqui! Entre num desafiante jogo onde após adquirir um azulejo, através de um mapa, tem de descobrir em que fachada da cidade se encontra! Será que é capaz?

Os mais novos têm um espaço para si, onde podem aprender mais sobre o património azulejar de Ovar. O espaço lúdico do azulejo pretende ser um lugar de reflexão e criação sobre este tema!

Atelier de Conservação e Restauro do Azulejo (ACRA)

Devido à importância que o Património Cerâmico apresenta para o Município de Ovar, a Câmara criou em 2000 o Atelier de Conservação e Restauro do Azulejo. Este é um elemento-chave na salvaguarda, preservação e recuperação dos elementos com valor patrimonial, artístico e histórico. Para cumprir a sua missão, realiza diversas atividades nas áreas da preservação, conservação e do restauro. Desenvolve também diversas ações de formação e de sensibilização e promove investigações sobre este tema. O ACRA tenta ainda chegar aos mais novos colaborando com os serviços educativos do Espaço Lúdico do Azulejo.

Maio do azulejo

O evento Maio do Azulejo, que já conta com quatro edições, é dedicado a este Património e por isso o Município de Ovar desenvolve uma programação dinâmica que inclui atividades como visitas guiadas, exposições, concertos e oficinas. Neste ano tão atípico a aposta é na inclusão, sustentabilidade e segurança do evento. Ganham relevo as experiências proporcionadas aos visitantes, as atividades ao ar livre, a apresentação de novas maneira de se fazer a reinvenção e exploração do azulejo e a valorização dos espaços da cidade recorrendo-se às artes preformativas. Pode consultar o programa aqui.

Igreja Matriz de Válega

No concelho de Ovar existe um total de oitocentos imóveis com fachada azulejar, do qual a Igreja Matriz de Válega, que começou a ser construída em 1746, é um belíssimo exemplar. A sua frontaria deixa qualquer um deslumbrado com o colorido e a delicadeza dos padrões azulejares que contempla! São da responsabilidade da Fábrica Aleluia e representam temas figurativos de origem bíblica. Conferem um brilho especial a todo o edifício, que merece ser bem apreciado. Passando para o interior, chama-nos a atenção os revestimentos que possui em azulejos policromados, produzidos pela Fábrica Aleluia e os seus tetos cobertos com madeiras exóticas. Sugerimos-lhe que a sua visita seja realizada ao pôr do sol com as cores do céu refletidas na fachada, que se encontra a poente. Assim vai poder guardar uma imagem única na sua memória!

Igreja Matriz de Cortegaça

Passamos agora para outro excelente exemplo do património azulejar de Ovar, a Igreja Matriz de Cortegaça.  Construída durante os anos de 1910 e 1918, apresenta uma fachada revestida com azulejos azuis e brancos de motivos decorativos e arquitetónicos que prendem o olhar dos visitantes! No interior é possível observar os dois painéis de azulejos da Capela-mor e outro no Batistério onde figura o Batismo de Cristo.

Assim termina a nossa viagem pelo Azulejo em Ovar. Temos a certeza que o deixou com imensa vontade de visitar este Município e descobrir mais sobre este património tão rico e diverso. Sim, porque há muito mais para descobrir! Venha daí!

Bibliografia
. Calado, R. S. (2001, July). Dunas. Azulejo de “Torna Viagem,” 41–47.
. Queiroz, F., & Pires, I. (n.d.). Azulejaria E Arquitectura Vernacular Os Padrões Usados No Concelho De Ovar E O Sistems “ Az Infinitum .”
. Velosa, A., Mariz, L., Ferreira, I., & Vechina, S. (2012). Recer. Azulejo de Fachada de Ovar, 37–42.