A cidade de Abrantes respira história. No castelo/fortaleza de Abrantes, um dos elementos importantes de arquitetura militar, pode-se observar a rara panorâmica de 360º sobre a charneca e visitar o Museu D. Lopo de Almeida, instalado na igreja de Sta. Maria do Castelo (Panteão dos Almeidas, desde o séc. XVI).
Conheça o núcleo religioso do Centro Histórico, através das Igrejas de São João Baptista (séc. XIV), Igreja da Misericórdia e de São Vicente (séc. XVI).
Abrantes sente a cul¬tura no Quartel de Arte Contemporânea de Abrantes – Coleção Figueiredo Ribeiro, bem como no Parque do Alto de Stº António, no jardim de esculturas em ferro ao ar livre.
Visite, na freguesia de Tramagal, o Museu Metalúrgica Duarte Ferreira, premiado como Museu do Ano pela Associação Portuguesa de Museologia, em 2018.
Des¬frute de dois dos mai¬ores re¬cursos hí¬dricos do País: o Rio Tejo e a Al¬bu¬feira de Cas¬telo do Bode, nas¬cida no leito do Rio Zê¬zere.
Junto ao Tejo visite o ParqueTejo que, para além das valências de campismo e caravanismo, é também um espaço interpretativo do rio com atividades científicas ligadas à água e ao ambiente. A Grande Rota “Caminho do Tejo” evidencia a importância estratégica do rio Tejo, cuja riqueza patrimonial se materializa através das estações arqueológicas encontradas no caminho, como os “pegões” de Alvega ou o Canal de Alfanzira.
Na albufeira de Castelo do Bode visite as nossas praias fluviais em Fontes e em Aldeia do Mato, aventure-se no cable park e pratique wakeboard e, nas suas margens, pode percorrer na Grande Rota do Zêzere um troço com 54,7 km e com início na Matagosa.
Não parta sem provar algumas das mais doces iguarias de Abrantes: tigeladas, broas fervidas, castanhas doces, mulatos e a famosíssima Palha de Abrantes, de origem conventual.
Abrantes oferece um rico cardápio resultante das influências ribeirinhas e das províncias com as quais faz fronteira. Da ementa, destacamos os pratos típicos de peixe do rio e de caça, confecionados de gerações em gerações e que têm por base os produtos da terra.
Um dos mais relevantes é o Azeite, indústria secular neste concelho, inclusivamente com várias marcas de referência, múltiplas vezes premiadas. Realce inquestionável para a história da fileira do Azeite em Portugal é a monumental Oliveira do Mouchão, na freguesia de Mouriscas, com os seus 3350 anos de existência. Esta árvore certificada como a mais antiga de Portugal é testemunha silenciosa de Fenícios aventureiros, de Celtiberos e de Romanos que se deliciaram com o seu azeite.
Muitos são os recantos a descobrir em Abrantes.