O concelho de Ansião situa-se na Região Centro, em pleno coração do maciço de Sicó, o que o torna singular no contexto do território, associando a particularidade da paisagem cársica, em termos paisagísticos e ambientais, com a riqueza do património arqueológico, histórico, etnográfico, gastronómico e cultural, características que lhe conferem uma identidade única e multifacetada.
As seis freguesias que integram o território concelhio mostram uma riqueza inigualável, no saber receber das suas gentes, no património cultural e paisagístico, cujas memórias, cores, aromas e sabores ficam na memória de quem as visita.
As marcas no território, ocupado desde tempos pré-históricos, são visíveis e demonstrativas de um passado rico, cuja herança arquitetónica, histórica ou cultural pode ser contada através do Pelourinho de Ansião, do século XVII, do Padrão Seiscentista, de Homenagem a D. Luís de Menezes, da Ponte da Cal de seiscentos, da Igreja Matriz de construção austera do século XVII e da Capela da Misericórdia.
Uma viagem pela História, que não pode deixar de ser contada, muitos séculos depois, por José Malhoa que, em 1933, pintava um belíssimo retábulo dedicado a Nossa Senhora da Consolação, exposto no altar-mor da Igreja Matriz de Chão de Couce.
Marca emblemática do património histórico do concelho de Ansião, o Complexo Monumental de Santiago da Guarda conta muito da história destes lugares e integra o Paço Manuelino, classificado Monumento Nacional em 1978 como Residência Senhorial dos Condes de Castelo Melhor. No mesmo espaço, várias épocas históricas são assinaladas por uma torre quatrocentista, reconstruída sobre as ruínas de uma Villa Romana dos séculos IV e V, que apresenta uma importante coleção de mosaicos romanos.