Apresentando-se como um dos mais excecionais concelhos da região Centro, com paisagens imponentes, aldeias centenárias e reservas naturais, ninguém lhe fica indiferente.
O concelho de Arganil, localizado no distrito de Coimbra, é parte integrante dos catorze municípios que compõem a sub-região do Pinhal Interior Norte. Com cerca de 13.000 habitantes distribuídos por 14 freguesias, é um concelho montanhoso, banhado pelos rios Alva e Ceira, ambos integrados na bacia hidrográfica do Mondego, e situado entre a Serra da Lousã e a Serra do Açor.
Com piscinas naturais e praias fluviais encantadoras, tem como pano de fundo uma área florestal diversificada e predominantemente xistosa, adornado por uma flora composta por carvalhos, castanheiros, medronheiros, e por espécies resinosas. A cobertura vegetal existente na Área Protegida da Serra do Açor, integrante da Rede de Reservas Biogenéticas do Concelho da Europa e sítio de interesse comunitário devido ao seu inigualável valor natural, é predominantemente composta por carvalho, medronheiro, aveleira, cerejeira, madressilva, martagão e urze, cujo pólen serve para apaladar o tão saboroso mel da Serra do Açor.
Para além do opulento património natural, o seu património monumental é igualmente rico e diversificado. Arquitetonicamente destaca-se a estação arqueológica da Lomba do Canho, onde se encontram vestígios das ocupações neolítica e romana nesta região e a aldeia histórica de Piódão, com o reconhecido casario em xisto e classificado como “Imóvel de Interesse Público”, o grande ex-libris da Beira Serra.
A juntar a este património é ainda digna de realce, a notável arquitetura religiosa dispersa por todo o concelho, nomeadamente, a Capela de S. Pedro, o mais antigo monumento do concelho datado do século XIII e classificado Monumento Nacional desde 1931, o Santuário do Mont’alto edificado no século XVI e que encerra uma vista incomparável e de grande amplitude, abrangendo o vale do rio Alva, os contrafortes da Serra do Açor e os campos estendidos até à estrada da Beira, a Igreja Matriz de Pombeiro da Beira, com a estátua jacente de Mateus da Cunha; o Convento de Santo António em Vila Cova do Alva; o Mosteiro de Folques, entre outras obras arquitetónicas de valor incalculável.