“Quem visita o concelho de Cantanhede pode desfrutar de um vasto leque de experiências no contacto com uma natureza estimulante pela sua riqueza e diversidade ou com uma realidade sociocultural unificada em torno de referências e de valores patrimoniais que consubstanciam as vivências peculiares das três regiões naturais que constituem o território: a Gândara, espraiada sobre o mar; a Bairrada, no interior, onde as estações do ano se contam pelo ciclo vegetativo das videiras; e o Baixo Mondego, a sul, num vale contíguo às pedreiras da famosa pedra de Ançã tão apreciada pelos mais proeminentes escultores dos séculos XV e XVI.
Esse vale está historicamente associado à extração da matéria-prima que deu origem ao mais relevante património do concelho, nomeadamente edifícios de interesse arquitetónico e igrejas que conservam estatuária religiosa e ornamentos de cantaria de elevado valor artístico. O Museu da Pedra celebra esse universo que deu a Cantanhede grande projeção no período áureo da escultura renascentista do país, ao qual estão ligados vários nomes incontornáveis da história da arte portuguesa.
O visitante pode desfrutar também de um vasto leque de experiências em ambientes naturais diversificados. A Praia da Tocha é uma zona balnear de excelência, com um areal dourado, onde as atividades de lazer decorrem num ambiente tranquilo, com vista para as redes dos pescadores e os barcos típicos da Arte Xávega. Esta realidade convive de perto com zonas dedicadas à prática de desportos náuticos, designadamente surf, bodyboard e paddle.
Alguns quilómetros a norte da Praia da Tocha, resiste absolutamente intacta a Praia do Palheirão, autêntico refúgio com enquadramento ambiental de exceção, com areais a perder de vista, entre o mar e o ondulado das dunas contíguas a uma imensa mancha florestal.
Mais serenas são as águas das duas praias fluviais do município: Sete Fontes, com a sua praia e parque de merendas localizados na freguesia de Ourentã e as nascentes dos Olhos da Fervença, na Freguesia de Cadima, que atraem uma significativa afluência anual de visitantes.
No concelho de Cantanhede, a comida vai à mesa com sabor a memórias ou com propostas inovadoras. Em espaços de restauração diferenciados, ora mais descontraídos, ora mais intimistas, os ambientes acolhedores têm anfitriões experientes. Das especialidades regionais, sobressaem os apaladados sabores da Gândara, do Baixo Mondego e da Bairrada magistralmente preparados em propostas que respeitam os cânones ou que reinterpretam as receitas tradicionais.
Integrando a Região da Bairrada, toda a paisagem da zona nascente do território do concelho de Cantanhede é marcada por vinhedos. A exclusividade das características geomorfológicas dos solos e a influência do clima no ciclo vegetativo das castas autóctones dominantes, com destaque para a Baga, estão na origem da excelência de vinhos a que os melhores enólogos atribuem qualidade ímpar. Neste contexto, a oferta de experiências de enoturismo são múltiplas e variadas. Basta seguir o impulso dos sentidos.
Entre a última semana de julho e a primeira de agosto, realiza-se a EXPOFACIC considerada desde há alguns anos como a mais importante realização festiva de Portugal. A reconhecida qualidade do cartaz de espetáculos, onde pontificam grupos e artistas internacionais de relevo, as tradicionais tasquinhas e a diversidade do programa de animação cultural tornam obrigatória a visita a este certame que domina a agenda de eventos do país entre a última semana de julho e a primeira de agosto.
Mas Cantanhede é um território que vale a pena por muitas outras razões, entre as quais o facto de pontificar nos roteiros nacionais pelo variado leque de realizações culturais e artísticas que, durante todo o ano, facultam o acesso generalizado aos bens e valores da cultura e que estimulam o envolvimento dos cidadãos em atividades de natureza cultural e artística.”