Vagos é um dos novos destinos turísticos no centro de Portugal. Na Beira Litoral, entre o mar, a floresta e a ria, encontra praias espaçosas e amplas para estender as toalhas, pinhais convidativos que esperam pelos seus piqueniques e zonas protegidas, ideais para passear e observar espécies únicas. 

Com um areal extenso e o paredão que convida a longos passeios com vista para o mar, é pela pesca com Arte Xávega que a praia da Vagueira distingue-se de todas as outras. Venha testemunhar a mais antiga forma de pesca no mundo, na qual pequenos barcos enfrentam as ondas da rebentação para largar as redes e onde pode ajudar os pescadores locais a puxar as redes de volta a terra, com a ajuda de bois ou tratores. Uma tradição que não pode perder. No resto do ano, aproveite os fantásticos passadiços para absorver toda a energia do ar do mar protegida por um extenso e elevado cordão dunar, a praia do Areão é ideal para quem procura um areal mais tranquilo e recatado.

É fácil distinguir a Praia do Labrego, muito procurada pelos surfistas pelas boas condições do mar. Aqui encontra um parque aquático que faz as delícias dos mais pequenos e duas escolas de surf que ensinam os mais aventureiros a fazerem- se ao mar numa prancha. O bar oferece uns excelentes fins de tarde a ver o por do sol sobre a linha do horizonte e o areal; e a ria adjacente dá-lhe a oportunidade de ver algumas espécies de aves protegidas a pousar na zona do sapal.


Vagos tem um excelente acesso aos melhores produtos para preparar as suas especialidades gastronómicas de eleição. O prato mais famoso é, sem dúvida, a magnífica caldeirada de enguias, preparada de forma diferente das regiões em volta. Com uma cor e um sabor únicos, é um prato que tem de provar. Mas há muito mais para degustar em Vagos. Os mariscos da ria, as papas de abóbora, o leitão – uma iguaria tão adorada que faz parte da tradição servi-la em dias de casamento – a chanfana, as sainhas e as favadas, são pratos típicos e robustos, preparados com a mesma arte há décadas, que preservam os sabores mais tradicionais da região. E, como não podia deixar de ser, o peixe fresco, capturado todos os dias em que o mar permite, bem perto da costa, graças à arte Xávega. Aqui, até pode ajudar a puxar as redes cheias de robalos, douradas, cavalas e outros, antes de os ver, grelhados e frescos, no seu prato.

O Museu do Brincar é muito mais que um museu de brinquedos onde levar os seus filhos. Aqui pode fazer uma verdadeira viagem no tempo e ficar a saber como se brincava – e com o quê – em várias fases da história. Com um acervo de cerca de 18000 objetos, datados de várias décadas dos séculos passados, é possível que até os seu pais ou avós se encantem com este espaço. Aproveitando a componente arquitetónica única do Palacete Visconde de Valdemouro, uma casa setecentista com elementos mudéjares onde encontra o museu, fique a conhecer os brinquedos e brincares que tanto fazem sonhar. Visitar a Casa Museu Gandaresa (Casa Museu de Santo António) é uma das melhores formas de ficar a conhecer os hábitos e o estilo de vida dos habitantes de Vagos ao longo dos séculos XVII, XVIII e XIX. Esta representa as habitações do tipo casa-pátio, onde todas as divisões tinham uma porta a comunicar com o pátio central interior; típicas da região da Gândara. É considerada uma das primeiras casas autos sustentáveis. Assim, vá até Santo António de Vagos e procure a bela casa amarela, onde encontra um verdadeiro museu etnográfico que lhe mostra a forma de vida dos vaguenses que trabalhavam a terra.

Os moinhos de São Romão encontram-se em vários estágios de conservação e merecem a sua visita. Já os moinhos de vento giratórios são uma ode à inventividade local. Venha conhecer o único exemplar em funcionamento junto à Casa Museu de Santo António. As Azenhas do Boco são um local romântico e encantador, que parece saído de um livro de contos. Entre a vegetação abundante, num vale iluminado pelo sol, descubra as azenhas, com as suas noras incansáveis. A Azenha de Ouca, no Parque da Fonte, é também um local imperdível, com a sua fonte centenária e forno comunitário.

Vagos é um espaço de peregrinação e devoção, ao qual milhares de pessoas acedem todos os anos. O Santuário de Nossa Senhora de Vagos tem as suas raízes firmemente presas ao século XIII e as várias lendas da terra ajudam a perpetuar um culto que ainda hoje se manifesta com toda a força. Mas há muito mais para conhecer além do santuário. Das mais modestas capelas, às mais antigas igrejas matrizes, na vila de Vagos e na vizinha Soza, há muitas lendas, imagens e histórias para descobrir. Um destino diferente para quem gosta de arte sacra e de conhecer a história religiosa dos espaços que visita.

Assim, aqui pode caminhar ao longo de 5 km de passadiços de madeira sobre o cordão dunar, pode deslocar-se facilmente de bicicleta entre o seu alojamento e a praia e tem acesso a aulas de ginástica, dança e outra animação durante os meses de verão, na praia da Vagueira. Se preferir um programa mais tranquilo, encontra rotas pedestres e pontos de observação excelentes para ficar a conhecer as espécies de aves protegidas que nidificam e ocupam esta zona. Para descansar, nada como caminhar pela Quinta do Ega ou fazer um piquenique nas mesas coloridas do parque de merendas na Gafanha da Boa Hora.