Es­paço que re­sultou da re­a­bi­li­tação das duas mar­gens do rio Tejo, entre as duas pontes que atra­vessam o rio. É cons­ti­tuído por zonas pe­do­nais, es­paços de lazer, parque de me­rendas, po­li­des­por­tivo, parque in­fantil, parque equi­pado com apa­re­lhos para exer­cício fí­sico. Em ambas as mar­gens existem pes­queiros. Tem res­tau­rante, bares e es­pla­nadas. Conta ainda com uma es­tação de ser­viço para au­to­ca­ra­vanas na margem norte.
Na margem sul dispõe de uma praça co­berta. Como marca do tempo en­con­tramos os Mou­rões, restos dos pi­lares de uma an­tiga ponte de barcas, cons­truída no pe­ríodo das in­va­sões fran­cesas. Na margem norte, em “diá­logo” com o que resta dessa an­tiga ponte de barcas, des­taca-se pela sua di­mensão e ou­sadia a obra “Ci­dade Ima­gi­nária” do es­cultor Char­ters de Al­meida.