Vasta área (cerca de 30 hectares) de planta octogonal, com uma configuração única na Península Ibérica, rodeada por muros e primitivamente também por um fosso de água. Ao que tudo indica tinha um complexo sistema ligando o interior e os fossos em redor ao Rio Pavia e à Ribeira de Santiago.

Aqui terá possivelmente existido um acampamento militar romano situado na confluência de várias vias de comunicação. O local poderá ter sido utilizado pelos muçulmanos como “cidade acampamento” na época de Al-Mansur. A partir do século XVI, possivelmente lembrando a sua utilização como abrigo dos rebanhos e pastores na transumância, o local foi associado à figura de Viriato passando a designar-se Cava de Viriato. No século XX foi erigido um monumento ao chefe da resistência dos povos peninsulares aos invasores romanos, da autoria do escultor espanhol Marianno Benlliure (1862-1947).
A área foi requalificada noâmbito do programa Viseu Polis transformano-se emmais uma zona de frução que pode ser percorrida a pé e de onde se tem uma panorâmica da alta da cidade com as suas emblemáticas torres.