Com origem no séc. XII, foi profundamente reformada nos séc. XVIII e XIX mas conserva a capela-mor, gótica, onde se encontra o túmulo do cavaleiro Fernão Gomes de Góis, camareiro-mor do rei D. João I.