Junto com a cisterna, são os únicos testemunhos materiais do velho castelo, na sua origem uma peça estratégica na defesa da linha do mondego. Em 1136, Miranda do Corvo recebe foral de D. Afonso Henriques.