Restam ainda alguns (mas não menos importantes) pontos de paragem nesta viagem. O primeiro é o Castelo de Torres Vedras, reconstruído por D. Afonso Henriques após a conquista aos mouros e ampliado por D. Dinis. Apesar de grande parte da muralha ter sido destruída durante as Guerras Peninsulares, é ainda possível visitar o castelo. Estenda a visita às Linhas de Torres e ao Centro de Interpretação das Linhas de Torres, em Sobral de Monte Agraço, onde é possível conhecer e compreender este complexo sistema de defesa que cobre uma distância de cerca de 100 quilómetros. Entre fortes, fortins, redutos e estradas militares, as três linhas defensivas incluem 152 fortificações que tinham como objetivo travar a terceira Invasão Francesa. Descubra, também, a Rota Histórica das Linhas de Torres que inclui património em Torres Vedras, Arruda dos Vinhos, Sobral de Monte Agraço, Mafra, Bucelas e Forte da Casa.

Torres Vedras

O último ponto no nosso mapa é, assim, o Convento de São Francisco, em Alenquer. À vista, está o resultado de muitas reconstruções, remodelações e aumentos ao longo dos anos, desde a sua fundação por D. Sancha, filha de D. Sancho I. Guarda um dos mais belos pórticos da história nacional, reconhecido com o título de Monumento Nacional em 1910 – o pórtico da casa do capítulo –, e testemunhou o reconhecimento de D. António I como Rei de Portugal, em 1580.

Mas nem só de história se faz esta visita. Sabia que Torres Vedras e Alenquer foram Cidade Europeia do Vinho em 2018? Não deixe, por isso, de conhecer as castas, os terroirs e a gastronomia destes dois municípios, com uma das maiores tradições de produção vitivinícola de vinhos tintos, brancos e rosés do país. Além disso, foram pioneiros na produção de vinhos leves, destacando a maior quinta produtora do país e uma das maiores do mundo, a Casa Santos Lima, e a adega cooperativa com maior produção nacional (cerca de 42 milhões de litros de vinho em 2016), a Adega Cooperativa de S. Mamede da Ventosa.

Depois de iniciar esta viagem no imenso Oceano Atlântico, terminamos de olhos postos nas memórias e na grandiosidade da história de Portugal e saboreamos aromas que ficarão na memória. Tudo isto sem sair da mesma região.