A caminho de um dos ex-líbris naturais do país paramos em Peniche, uma pequena península no Oeste, rica em memórias e em paisagens únicas. Volte a deixar o carro para trás e caminhe pela cidade, sempre acompanhado pela refrescante brisa marítima. Terá várias oportunidades para parar, respirar e tirar uma fotografia quando e onde quiser.

Começamos pelo Museu da Renda de Bilros de Peniche, símbolo maior do artesanato da cidade. Com mais de quatro séculos de história, a Renda de Bilros nasceu dos contactos comerciais com marinheiros da Flandres e encontrou em Peniche as condições ideais para se manter até aos dias de hoje. Esta arte chegou a ser a segunda maior indústria do concelho e, em 1980, com a criação da Escola Municipal de Renda de Bilros, ganhou um novo impulso.

Transmitida de geração em geração, a Renda de Bilros é hoje celebrada num museu que não só mostra a sua história mas também as técnicas e evolução artística desta tradição secular.

Fortaleza de Peniche

Um dos pontos altos da visita à cidade é, também, a Fortaleza de Peniche. Esta edificação chave na defesa do reino, destaca-se pela traça típica em forma de estrela. Além da Torre de Vigia, ainda alberga a Capela de Santa Bárbara e o Museu Municipal, com o Núcleo evocativo da Resistência à Ditadura do Estado Novo, já que foi aqui que permanenceram alguns presos políticos como Álvaro Cunhal. Além de toda a história, a Fortaleza de Peniche guarda uma incrível vista da cidade.

Seguimos, agora, em direção ao Cabo Carvoeiro, o mais ocidental da costa continental portuguesa a norte do Cabo da Roca. Não é preciso muito esforço para encontrar o Arquipélago das Berlengas, a oeste. O farol, de 25 metros de altura, é também um dos pontos mais concorridos de Peniche. Aqui, o nosso conselho é que siga a linha de costa da vertente sul da península. Mas com cuidado: tome atenção aos sinais e respeite principalmente os que dão conta da instabilidade das rochas. Pelo caminho encontrará pequenas praias escondidas entre as falésias e até a Gruta da Furninha, onde foram encontrados vestígios pré-históricos. Aproveite o céu azul e o mar infinito para uma sessão fotográfica.

As próximas experiências levam-nos para dentro de água. Pode subir para a prancha e aproveitar algumas das melhores ondas do país, na famosa Praia dos Supertubos, na zona sul da Península. Conhecida por atrair muitos surfistas, é aqui que são organizados alguns dos mais importantes torneios da modalidade ao nível nacional e internacional. Além disso, o pôr do sol é de cortar a respiração.

Se ainda não se sentir confiante para subir a uma prancha, aposte na Rota da Sardinha. Não, não falamos de um roteiro gastronómico, mas sim de uma experiência única que acompanha o ritual da pesca de Cerco. Só tem de marcar a sua visita e registar o momento para o álbum de recordações das férias.

Berlengas

Aproveitamos balanço para ganhar coragem e subir a bordo do barco que nos levará ao Arquipélago das Berlengas. A escolha do programa e respetiva compra de bilhete dá-se no Cais de Embarque, a poucos metros da marina, ainda que a reserva antecipada seja aconselhada. Faça-se ao mar sabendo que quanto mais pequena for a embarcação, mais sentirá a ondulação. Se achar necessário, leve uma pequena ajuda para os enjoos no bolso, mas saiba que em dias calmos a viagem faz-se sem qualquer sobressalto. Ajuda se começar desde logo a imaginar o que vai encontrar: uma praia de areia branca e água azul clara, a Praia do Carreiro, um forte com vistas deslumbrantes e um farol com panorâmicas privilegiadas. Perca-se pela reserva, salte para as águas azuis sempre que o calor apertar, descubra as grutas a bordo de uma pequena embarcação. Descubra este santuário do mergulho e, claro, prove uma caldeirada com peixe acabado de pescar. Tenha apenas atenção ao horário de regresso ao continente.