Rota dos Vales Glaciares na Serra da Estrela

Saber mais

A principal vantagem de estar em Manteigas é poder parar para pensar no que mais lhe apetece fazer, seja Verão ou Inverno, num cenário que desperta todos os sentidos. No Vale Glaciário do Zêzere, ex-líbris do concelho e da região, a beleza irresistível da cascata do Poço do Inferno e do Covão d’Ametade junta-se às Penhas Douradas, aos “Trilhos Verdes” (são cerca de 18) e à diversidade de desportos de natureza, como BTT, parapente, ciclismo e ultra-trail. Na verdade, todo este património natural pode ser descoberto no Centro Interpretativo do Vale Glaciar do Zêzere. Manteigas é, assim, ponto de partida para muitas aventuras, num território reconhecido pela pureza do ar, a qualidade das águas e pela biodiversidade, traduzida numa riquíssima paisagem.

No entanto, é também aqui que poderá conhecer um outro tesouro da região: o Burel. Feito unicamente a partir da lã da ovelha bordaleira, o burel é um tecido de impressionante resistência e impermeabilidade, desde sempre associado à Serra da Estrela, à montanha, aos pastores e às suas capas. Para saber mais sobre o burel e conhecer de perto os processos que vão da tosquia à tecelagem – e, já agora experimentar algumas das suas aplicações ao vestuário e aos acessórios – não deixe de visitar a fábrica e loja da Ecolã, a mais antiga unidade produtiva artesanal certificada familiar e de origem portuguesa. Ali mesmo ao lado, em Amieiros Verdes, visite ainda a Burel Factory, outra empresa com os olhos postos na originalidade e na criatividade, já reconhecida pelas aplicações do burel à arquitetura.

À semelhança de outros locais da região, Manteigas é sinónimo de sabores frescos, como os das Trutas de Manteigas, provenientes do viveiro local.

Regressando à estrada, o caminho até Seia faz-se serra acima, entre corredores de árvores altas e antigas. Uma estrada que não tarda a levar-nos de novo aos maciços altaneiros da serra, com os seus cumes carecas e as suas aldeias de pedra, cruzando a montanha em direção a poente. Seia surge, entretanto, no sopé ocidental da serra.